O troféu do Design for a Better World tem como maior inspiração uma entidade protetora das florestas, vindo do folclore indígena tupiniquim: O CURUPIRA.

Pés que apontam para o lado contrário servem também de convite para olhar para o passado ao caminhar para o futuro. Reconhecer sabedorias ancestrais para desenhar um mundo melhor.

A provocação é que a cada edição o curupira seja produzido com um material diferente, sempre o mais sustentável possível e customizado por um novo designer. O troféu é o próprio manifesto da premiação: mutável e better a cada ano.

Na primeira edição do DFBW Award o troféu foi idealizado e concebido pela Furf Design. Na segunda edição o desafio criativo de repensar o curupira ficou com a Greco Design.

Nesta terceira edição, o troféu foi ressignificado por um olhar feminino. A Ana Couto aceitou o desafio de personalizar o curupira 2023.

“Estamos muito felizes em criar o troféu da terceira edição do Design for a Better World. Um prêmio inédito no Brasil que nasce com a vocação de reconhecer não só criações inteligentes, mas soluções com impacto positivo para a sociedade. É uma visão muito alinhada com o papel do design que acreditamos por aqui. Foi simplesmente uma delícia poder criar em cima de um troféu que já chega cheio de simbolismo como o curupira, um ícone da nossa cultura”, conta Ana Couto.

A estatueta que premiará as melhores iniciativas apresentadas no DFBW Award 2023 será produzida com materiais de baixo impacto ambiental: esculpida em blocos de madeira de descarte, a peça será adornada por um manto de papel.

Troféu Curupira 2023

Com o tema “Retomada”, a estatueta deste ano é inspirada nos tradicionais mantos feitos com as penas vermelhas da ave guará, o Manto Tupinambá. Esses objetos históricos e ritualísticos foram levados do Brasil para coleções no exterior. A proposta é retomar esse artefato ancestral, simbolizando o resgate e valorização do que é originalmente brasileiro. O manto vermelho faz reverência aos povos originários desta terra e ao elemento fogo, do curupira.

“Queremos que as pessoas conheçam o significado desse troféu e que fiquem honradas em recebê-lo”, afirma Ana Couto.

 

Curupira 2022

Mantendo-se suas formas originais, o Curupira de 2022 foi produzido em cerâmica, em parceria com o Atelie de Ceramica. O processo de produção das cerâmicas está presente na história de Minas Gerais e agora fazem parte oficialmente do patrimônio cultural do Estado. Gustavo Greco, da Greco Design, assinou o troféu.

O fogo é elemento fundamental para a elaboração das peças de cerâmica, transformando os pigmentos de nossa terra em cores, muitas vezes inesperadas. E é de fogo também o cabelo do personagem do folclore brasileiro que deu origem ao troféu do Prêmio Design for a Better World. O resultado são troféus com variações no uso dos pigmentos, fazendo com que cada um tenha suas peculiaridades.

Curupira 2021

Na versão de 2021 o troféu foi produzido com um dos materiais mais sustentáveis disponíveis hoje, um biocomposto de micélio com descartes da agroindústria. Este é o resultado da combinação da sabedoria da Natureza com a criatividade da Ciência. O Curupira foi idealizado e concebido pelos designers Mauricio Noronha e Rodrigo Brenner, da Furf Design.